quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Dizeres e Quereres...


Medo,
De que tudo acabe,
De que você se vá,
De que eu me deixe,

Medo,
Do hoje,
Do agora,
Do instante,
Que tanto demora
Para que em seus braços eu adormeça...

Me nine nesta noite,
Me diga a que veio,
O que queres
Me aceitas assim,
Como sou?
Sendo que sequer sei onde vou...

Não, não diga nada...
Apenas respire,
Inspire-se em nossos corpos
Suados, molhados entre tantos ados

Embaraçados pensamentos,
Observo, ouço, desejo...
Sublimo o desejo...
de que este instante seja para todo sempre eterno...

Ternos são os sonhos,
De que em algum dia sejamos mais que dois,
Que os lares sejam três,
Que sejamos enfim uma das bolas da vez

Que esta suave tez que recobre teu corpo
Seja testemunha, que nela assim fique cravada
Minha marca, minhas unhas
Nunca, nunca diga nunca

Já que o amanhã por enquanto existe só nos planos
Nos mais insanos
Te amo, nos amo...

Fui-me, uma versão diferenciada...

2 comentários:

  1. estamos no mesmo barco! rsrssr!

    bom que voltou a escrinhar nesse espaço... beijos em teu coração.

    ResponderExcluir